ÁGUIA – Consultoria Hoteleira Especializada

Dificuldades são para Profissionais

Custos, porque cuidar deles.

Paulo Alceu se refere ao preço da Feijoada, e isto vem de encontro ao que já tentei que entendessem várias vezes. O preço da feijoada sobe, e o dos ingredientes desce. Explora-se o Turista, o cliente e não o Turismo. Na Verdade a maioria das casas que serve feijoada (ou qualquer outra coisa) desconhecem na integra um processo chamado custos. Os Administradores não sabem nem sequer imaginam, quantas feijoadas teriam que vender, para, por exemplo, abrir a casa naquele dia, até porque não sabem o lucro exato que estas lhes deviam proporcionar. E sabem menos ainda que se trabalharem com o lucro Honesto e correto de um restaurante, ao fim de tudo pago terá SOBRANDO (isto sim é o lucro) 33,33% – este é o percentual de lucro de um restaurante. Acima, está errado e exorbitante, abaixo o administrador precisa ser instruído, pois não tem a mínima noção do que está fazendo.

(Há casos em que isto altere mas são casas de alto nível onde facilmente um casal pagará mais de R$.350,00 por um jantar e sem poder fazer grandes “aventuras”. Na verdade o filet o salmão ou o hadock servido nestes lugares, é igual ao que comemos em casa e dependendo do ingrediente ele vai custar entre 25 e 80 reais o kgr. O que torna o preço da refeição elevado, é o requinte do serviço e elaboração dos pratos.

Nestas casas entra-se sabendo que, na maioria delas pelo mundo, já temos algumas no Brasil, o cardápio está sem preços.)

Não entendendo de Custos, ele não vai conseguir entender que para a sua movimentação como um todo, é muito mais interessante vender 200 feijoadas a 17 ou 20 Reais por pessoa O que é Caro para Feijoada, do que vender 100 a 50,00. Parece um erro, não, não é. E eu garanto que prefiro e venderia 200 a 15,00 com muito mais lucro do que quem vendeu as 100 a 50,00. (Sem perder em qualidade e com certeza talvez até ganhando) Isto além de custos é Administração de unidades Hoteleiras e Similares. E acreditem 200 a 15 dará com certeza 50%+ de lucro do que as 100 a 50. E Não se esqueçam de que aqui, não falo de realização e sim percentual de Lucro.

Os custos, precisam estar na mente e no dia a dia de todo e qualquer gestor, o hoteleiro precisa saber quantos apartamentos precisa ter ocupados por dia, para manter as portas abertas.

Leve-se em conta que na administração hoteleira, há a receita de venda paralela, são estatísticas e nrs que precisam vir atualizados,elas  variam com a estrutura de marketing de cada hotel, mas a rigor e na grande hotelaria mundial, o segredo é manter os hospedes dentro do complexo,a cama é para eles descansarem, o lucro está em tudo o resto, o que realmente dá lucro é SERVIÇO, e não há serviço impossível, há várias formas de prestá-lo, quanto mais versátil se for, mais pessoas se interessam pelo hotel. E este tem obrigação de gerar um lucro médio anual que pode variar entre 29 e 33% se assim não for, tem que se rever toda a estrutura. E continuo falando de Lucro Liquido.

Os custos são fundamentais também, para saber quando estamos em patamares que os mesmos precisem ser diluídos, só recorro à redução de custos em último caso, cortar despesas na maioria das vezes, nos leva a baixar o nível de serviços e este é sempre Muito importante, assim, custo se diluí, e em último caso, extremo, se corta.

Mas há que se preparar para Administrar a Indústria do Turismo, e todos os seus departamentos.

31/07/2009 Posted by | Administração Hoteleira | | Comentários desativados em Custos, porque cuidar deles.

Serviço de Utilidade Pública (tempos de solidariedade)

GRIPE SUÍNA – PERGUNTAS E RESPOSTAS:

1.-
Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa?
Até 10 horas.

2. –
Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos?
Torna o vírus inativo e o mata.

3.-
Qual é a forma de contágio mais eficiente deste vírus?
A via aérea não é a mais efetiva para a transmissão do vírus, o fator mais importante para que se instale o vírus é a umidade, (mucosa do nariz, boca e olhos) o vírus não voa e não alcança mais de um metro de distancia.

4.-
É fácil contagiar-se em aviões?
Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.

5.-
Como posso evitar contagiar-me?
Não passar as mãos no rosto, olhos, nariz e boca. Não estar com gente doente. Lavar as mãos mais de 10 vezes por dia.

6.-
Qual é o período de incubação do vírus?
Em média de 5 a 7 dias e os sintomas aparecem quase imediatamente.

7.-
Quando se deve começar a tomar o remédio?
Dentro das 72 horas os prognósticos são muito bons, a melhora é de 100%

8.-
De que forma o vírus entra no corpo?
Por contato ao dar a mão ou beijar-se no rosto e pelo nariz, boca e olhos.

9.-
O vírus é mortal?
Não, o que ocasiona a morte é a complicação da doença causada pelo vírus, que é a pneumonia.

10.-
Que riscos têm os familiares de pessoas que faleceram?
Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão.

11.-
A água de tanques ou caixas de água transmite o vírus?
Não porque contém químicos e está clorada

12.-
O que faz o vírus quando provoca a morte?
Uma série de reações como deficiência respiratória, a pneumonia severa é o que ocasiona a morte.

13.-
Quando se inicia o contagio, antes dos sintomas ou até que se apresentem?
Desde que se tem o vírus, antes dos sintomas.

14.-
Qual é a probabilidade de recair com a mesma doença?
De 0%, porque fica-se imune ao vírus suíno.

15.-
Onde encontra-se o vírus no ambiente?
Quando uma pessoa portadora espirra ou tosse, o virus pode ficar nas superfícies lisas como maçanetas, dinheiro, papel, documentos, sempre que houver umidade. Já que não será esterilizado o ambiente se recomenda extremar a higiene das mãos.

17.-
O vírus ataca mais às pessoas asmáticas?
Sim, são pacientes mais suscetíveis, mas ao tratar-se de um novo germe todos somos igualmente suscetíveis.

18.-
Qual é a população que está atacando este vírus?
De 20 a 50 anos de idade.

19.-
É útil a máscara para cobrir a boca?
Existem alguns de maior qualidade que outros, mas se você não está doente é pior, porque os vírus pelo seu tamanho o atravessam como se este não existisse e ao usar a máscara, cria-se na zona entre o nariz e a boca um microclima úmido próprio ao desenvolvimento viral: mas se você já está infectado use-o para não infectar aos demais, apesar de que é relativamente eficaz.

20.-
Posso fazer exercício ao ar livre?
Sim, o vírus não anda no ar nem tem asas.

21.-
Serve para algo tomar Vitamina C?
Não serve para nada para prevenir o contagio deste vírus, mas ajuda a resistir seu ataque.

22.-
Quem está a salvo desta doença ou quem é menos suscetível?
A salvo não esta ninguém, o que ajuda é a higiene dentro de lar, escritórios, utensílios e não ir a lugares públicos.

23.-
O virus se move?
Não, o vírus não tem nem patas nem asas, a pessoa é quem o coloca dentro do organismo.

24.-
Os mascotes contagiam o vírus?
Este vírus não, provavelmente contagiem outro tipo de vírus.

25.-
Se vou ao velório de alguém que morreu desse vírus posso me contagiar?
Não.

26.-
Qual é o risco das mulheres grávidas com este vírus?
As mulheres grávidas têm o mesmo risco mas por dois, podem tomar os antivirais mas em caso de de contagio e com estrito controle médico.

27.-
O feto pode ter lesões se uma mulher grávida se contagia com este vírus?
Não sabemos que estragos possa fazer no processo, já que é um vírus novo.

28.-
Posso tomar acido acetilsalicílico (aspirina)?
Não é recomendável, pode ocasionar outras doenças, a menos que você tenha prescrição por problemas coronários, nesse caso siga tomado.

29.-
Serve para algo tomar antivirales antes dos síntomas?
Não serve para nada.

30.-
As pessoas com AIDS, diabetes, câncer, etc., podem ter maiores complicações que uma pessoa sadia se contagiam com o vírus?
SIM.

31.-
Uma gripe convencional forte pode se converter em influenza?
NAO.

32.-
O que mata o vírus?
O sol, mais de 5 dias no meio ambiente, o sabão, os antivirais, álcool em gel.

33.-
O que fazem nos hospitais para evitar contágios a outros doentes que não têm o vírus?
O isolamento.

34.-
O álcool em gel é efetivo?
SIM, muito efetivo.

35.-
Se estou vacinado contra a influenza estacional sou inócuo a este vírus?
Não serve para nada, ainda não existe vacina para este vírus.

36.-
Este vírus está sob controle?
Não totalmente, mas estão tomando medidas agressivas de contenção.

37.-
O que significa passar de alerta 4 a alerta 5?
A fase 4 não faz as coisas diferentes da fase 5, significa que o vírus se propagou de Pessoa a Pessoa em mais de 2 países; e fase 6 é que se propagou em mais de 3 países.

38.-
Aquele que se infectou deste vírus e se curou, fica imune?
SIM.

39.-
As crianças com tosse e gripe têm influenza?
É pouco provável, pois as crianças são pouco afetadas.

40.-
Medidas que as pessoas que trabalham devam tomar?
Lavar-se as mãos muitas vezes ao dia.

41.-
Posso me contagiar ao ar livre?
Se há pessoas infectadas e que tosam e/ou espirre perto pode acontecer, mas a via aérea é um meio de pouco contágio.

42.-
Pode-se comer carne de porco?
SIM pode e não há nenhum risco de contágio.

43.-
Qual é o fator determinante para saber que o vírus já está controlado?
Ainda que se controle a epidemia agora, no inverno boreal (hemisfério norte) pode voltar e ainda não haverá uma vacina.

24/07/2009 Posted by | Utilidade pública | | Comentários desativados em Serviço de Utilidade Pública (tempos de solidariedade)

Administração e Conservação de enxovais.

Vida útil de enxovais:

É a administração, (gerência) operacional dos hotéis que controla entradas e saídas de enxovais que compõem os ambientes do empreendimento.

A maioria dos fornecedores deste tipo de enxoval, orienta, os hotéis quanto à boa conduta para um melhor aproveitamento e maior duração das peças. Profissionais como camareiras e lavandeiras precisam conhecer o sistema de gerenciamento desta operação, pois a colaboração delas ajuda muito no manejo final.

As trocas são realizadas de acordo com as necessidades dos hotéis, que estão atreladas à rotatividade de cada unidade.

Cuidados
A boa conservação depende de alguns fatores essenciais como conhecimento do tecido trabalhado.

O tipo linho, por exemplo, suporta 200 lavagens,
O algodão 250,
O misto chega a 350 higienizações.

Sabendo até quanto estes produtos resistem, pode-se mensurar sua vida útil. Por isso é importante ter em mente a conduta do hotel, em relação a esta movimentação.

O processo de limpeza:

começa no manuseio correto,
higienização,
Secagem,
Passar e posterior descanso do tecido,

um fator importante de ser observado. Depois de realizadas as três etapas, lavagem, secagem e passadoria, é preciso que a roupa descanse entre 24 e 48 horas para recomposição da fibra.

Para um melhor custo/ benefício, as redes hoteleiras devem manter um estoque adequado às suas exigências.

Dicas de especialistas
A Döhler, especializada em enxovais para hotéis, produz desde o fio até o produto acabado e oferece suporte adequado para sua utilização. Eles dispõem de técnico químico que acompanha de perto o cliente.

Alguns estabelecimento hoteleiros preferem também a parceria com empresas especializadas, terceirizando o serviço. Para quem gosta de cuidar de seu patrimônio, precisa levar em conta a qualidade da água assim como o tipo de detergente ou produto que usa para lavagem, isto normalmente as fábricas teem os técnicos químicos que apresentam as recomendações.

A Teka desenvolve produtos para enxovais de linha profissional.

Para maior durabilidade, os itens para hotéis são fabricados com as seguintes características:

As peças recebem corantes específicos que resistem a diversas lavagens e ao uso de detergentes mais agressivos ou produtos clorados.
Os artigos brancos são tratados com alvejantes ópticos selecionados, visando a suportar  estas condições de lavagem.
As toalhas de banho apresentam ligamento crepe, que se caracteriza por felpas mais presas à estrutura do tecido, reduzindo a probabilidade de fios puxados.
Estas toalhas também usam em sua estrutura base fios compostos de fibras de algodão e poliéster que garante maior resistência e reduz o encolhimento.

A Teka dá algumas dicas de como manter o enxoval em boa conservação para uso a longo prazo:

Armazenar as peças sempre em lugares limpos, secos e bem ventilados. Isto inibe a formação de fungos e mau cheiro.
Na lavanderia, separar as peças por:
Tipo de fibra (peças 100% algodão devem ser lavadas separadas das peças com mistura de algodão e poliéster)
Tipo de artigo (lavar toalhas de banho separadas de roupões e de roupas de cama, por exemplo)
Cor (lavar as peças brancas separadas das cores claras e principalmente das escuras)
Grau de sujidade (roupas mais sujas tendem a sujar peças mais limpas)
Para evitar amarrotamento, não deixar as peças de molho e lavar em temperaturas mais brandas principalmente em artigos de algodão ou poliéster.
Problemas de manchas, amarelamento e enfraquecimento são reduzidos quase que totalmente com um processo de lavagem bem balanceado.

05/07/2009 Posted by | Administração Hoteleira, Aguia | | Comentários desativados em Administração e Conservação de enxovais.