ÁGUIA – Consultoria Hoteleira Especializada

Dificuldades são para Profissionais

Stress Os Executivos e CEOs. Revendo Atuação, enquanto é Tempo

Da isto é Dinheiro, reportagem original de: Carolina Matos, Nicholas Vital e Rodolfo Borges com o Título: Quando e como desacelerar

A crise de hipertensão do presidente Lula, que viveu seu maior susto em sete anos de governo, envia um alerta aos empresários: jamais ultrapassar os limites do corpo

O presidente Lula estava prestes a viver na semana passada um dos pontos altos de sua trajetória política. Diante de uma plateia de líderes mundiais, ele receberia em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico, o título de Estadista Global. Lula, obviamente, queria estar lá. Seu corpo, não. Refestelado na poltrona do avião que o levaria para a Europa, o presidente experimentou uma sensação estranha. Primeiro, sentiu um cansaço onipresente. Depois, uma leve tontura. Lula estava com a pressão alta. Ela chegara a 18 x 12, muito acima do seu normal, que raramente ultrapassa a marca de 11 x 8. O diagnóstico dos médicos assustou o presidente. A pressão alta era provavelmente resultado do mal que acomete pessoas que levam a vida num ritmo maior do que o desejável: o stress. Lula, que até então parecia imune aos efeitos nefastos de uma rotina atribulada, foi obrigado a descer do pedestal.Presidente fica doente, sim.

CLEDORVINO BELINI, Presidente da FIAT “Quando vi que podia morrer, mudei meu ritmo”

Presidente, a despeito do poder, do status e do dinheiro que desfruta, sofre as mesmas agruras que afligem a todos nós. O episódio, que obrigou um chefe de Estado a recolher-se ao aconchego do lar, acende o sinal amarelo para quem leva a vida sob pressão.
Por mais que a recompensa seja elevada, poucos profissionais estão tão expostos ao stress quanto executivos e empresários que têm nas costas a responsabilidade de levar suas companhias ao sucesso, o que só pode ser conquistado mediante a superação de rivais agressivos e a dedicação quase integral ao trabalho. “Nenhum aviso do corpo deve ser desprezado” , diz Carlos Alberto de Oliveira Andrade, dono do grupo Caoa Hyundai. No ano passado, Andrade passou por um susto. Uma pancreatite (inflamação do pâncreas) fez com que ficasse internado em estado grave durante vários dias. Como muitos de seus pares, Andrade orgulhava-se de trabalhar 12, 14 horas por dia. Às vezes, mais.

Mesmo sendo médico, a correria o impediu de prestar atenção aos primeiros sinais do corpo que avisavam que ele havia alcançado seu limite.
“Em todo ser humano, há um órgão que recebe a pressão e emite alertas”, diz o empresário. “No início de 2009, recebi um desses avisos e não dei importância. Tive uma polimialgia aguda, que causa fortes dores no corpo, e não tomei as providências adequadas. No fim do ano, veio o baque.” O presidente Lula recebeu um desses recados. Há pelo menos um mês, vinha sentindo um cansaço incomum, mas desprezou os sinais, assim como o dono do grupo Caoa-Hyundai. A temporada no hospital fez com que Andrade mudasse o estilo de vida. Há pelo menos quatro meses, ele dá expediente em casa. No caso de Lula, os médicos também disseram que o presidente precisa diminuir o ritmo.

As estatísticas revelam que muitos executivos brasileiros estão à beira de um ataque de nervos. Um estudo feito no ano passado pelo Isma Brasil (sigla em inglês), associação internacional para prevenção e tratamento do stress, trouxe números preocupantes sobre a qualidade de vida nos escritórios do País. Foram ouvidos mil executivos de Porto Alegre e São Paulo, com idade entre 25 e 60 anos. A pesquisa mostrou que 86% dos entrevistados sofriam de dores musculares ou de cabeça, 38% tinham distúrbios do sono e 13% apresentavam quadro de pressão alta. Mais grave ainda: para escapar da rotina asfixiante, 57% deles utilizavam álcool ou drogas.

Presidente do Isma, a psicóloga especializada em gerenciamento de stress Ana Maria Rossi diz que os profissionais de primeira linha gastam, em média, 13 horas do dia no ambiente de trabalho. No restante do tempo, não conseguem se desligar. “A maioria permanece conectada o tempo todo, mesmo em casa. Em busca de relaxamento, essas pessoas desenvolvem maus hábitos que agravam o quadro, como a utilização excessiva de medicamentos, o abuso de álcool e o fumo.”
Por mais irônico que possa parecer, o desenvolvimento tecnológico agravou o quadro de tensão dos executivos. Graças aos celulares inteligentes e à própria internet, para ficar apenas em alguns exemplos, muitos profissionais trabalham o tempo todo. Em casa, em vez de aproveitarem o convívio familiar, ficam grudados no computador.

AFONSO CELSO DE BARROS presidente da Avis “Somos cobrados o Tempo Todo é Muita Pressão”

No fim de semana, respondem a e-mails pelo celular. Eles simplesmente não conseguem se desconectar – e seu desempenho no escritório é calculado também pela disposição de ficarem à mercê das empresas. Quem não aceitar isso, provavelmente ficará fora do jogo, seja perdendo uma promoção ou o próprio emprego. O cenário corporativo atual também favorece o aparecimento do stress. Empresas globais obrigam os profissionais do topo a enfrentar rotinas extenuantes. Você dirige uma empresa no Brasil que tem escritório na China? Não são poucos os exemplos de teleconferências feitas nas madrugadas para atender ao fuso de uma matriz. Sua empresa foi adquirida por uma rival maior? Seu emprego está em risco. Você abriu o capital? A pressão dos acionistas por resultados talvez o deixará maluco. “Somos cobrados o tempo todo e se algum presidente de empresa disser o contrário é porque há alguma coisa errada”, diz Afonso Celso de Barros, presidente da locadora Avis. Em meio às exigências profissionais do dia a dia, Barros enfrentou um drama familiar que o obrigou a “sumir da empresa”.

 

Em 2008, ele tirou quatro meses de licença para acompanhar o tratamento da mulher, que teve um aneurisma. Nesse período, os problemas da companhia eram acompanhados por telefone. “Eu me considero ausente em relação à família. Fico com a consciência pesada por passar tanto tempo longe de casa. Trabalho muito, mas, nos fins de semana, procuro dedicar o tempo todo aos meus filhos.”
Seria ingênuo afirmar que os executivos desconhecem o preço do sucesso profissional. É aqui que se abre a questão: até que ponto as pessoas estão dispostas a abdicar de um contracheque maior em prol de uma vida mais saudável? Aos 40 anos de idade e com um histórico de acidente vascular cerebral aos 36, Flávio Bibiano Darly, dono de uma fabricante e revendedora de peças para veículos pesados, abriu mão do dinheiro.

O empresário, que ficou 15 dias internado, desistiu de administrar seis empresas de ônibus para ter mais tempo livre. “Eu trabalhava 20 horas por dia e dormia só uma hora por noite. Tinha folga apenas aos domingos, quando passava o dia na cama”, relembra. Agora, a proposta é outra: conquistar cada vez mais espaço na agenda para atividades prazerosas, como jogar tênis.
“Ganhava muito dinheiro, mas não tinha tempo de gastar nada”, diz o executivo. Presidente da Fiat no Brasil, Cledorvino Belini também mudou de vida depois de um susto. Há oito anos, quando comandava a Magnetti Marelli no País, teve um problema cardíaco causado pelo stress gerado pelo volume excessivo de trabalho. Depois disso, decidiu levar uma vida mais harmoniosa. “Hoje, tenho com a saúde o mesmo grau de exigência da vida executiva”, afirma. Belini também destaca a importância de se submeter a exames médicos regularmente. “Isso faz toda a diferença.”

Nesse aspecto, o presidente Lula falhou. Há algumas semanas, contrariando a recomendação da equipe médica que o atende, ele vem adiando a realização de um check-up – um erro grave para quem enfrenta uma rotina agitada. Entre segunda e quarta-feira da semana passada, o presidente visitou quatro Estados e, enquanto esteve em Brasília, cumpriu uma agenda extensa de reuniões e solenidades. Na terça-feira 26, depois de participar de audiências e assinar dois decretos, viajou para Porto Alegre, onde discursou no Fórum Social Mundial. Só voltou a Brasília às 2 horas da madrugada e teve o primeiro compromisso de trabalho às 9 horas da manhã.
Recebeu o ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, no Palácio da Alvorada, e logo depois seguiu de helicóptero para uma solenidade no Park Way, bairro na periferia de Brasília. Quando está em Brasília, Lula cumpre jornadas de no mínimo 12 horas por dia, que frequentemente chegam a 15 horas. Tudo isso, segundo os médicos, culminou no quadro de stress. Horas antes de ser levado ao Hospital Português, no Recife, Lula discursou na inauguração de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento de Saúde). Em seu discurso, o presidente brincou. “A UPA é tão bem organizada que até dá vontade de ficar doente para ser atendido aqui.” Parecia que ele estava prevendo o que viria a acontecer, antes de ser internado num hospital particular.

19/02/2010 Posted by | 31677905, Administração, Aguia, Alertas, Planejamento, Rentabilidade, Stress | , , | 1 Comentário

Por quê os preços dos produtos de Mini bar dos hotéis são tão caros?

Foi com essa pergunta um amigo que na nossa Pagina: http://www.amigoshoteleiros.com/ abordou o tema Reproduzindo o que repito a seguir:

“O economista Americano Robert H. Frank escreveu” O Naturalista da Economia “. Em seu livro ele apresenta perguntas feitas durante suas aulas na Faculdade de Administração da Universidade de Cornell. Uma das pergunta é:” Por quê os preços dos produtos dos bar hotéis são tão caros? “Segundo Robert, os hotéis, para conseguirem uma alta taxa de ocupação, são pressionados a Oferecer quartos a preços competitivos, e isso Afeta um sua margem de lucro. Muitos procuram os hotéis compensar que praticam descontos em suas tarifas com os altos preços do bar. Para ele, os hotéis que muitos sabem hóspedes não consumirão os produtos por causa dos preços, mas que outros, não Sensíveis a preços, uma tabela olharão nem na hora da fome ou da sede. O que você pensa sobre isso? Afinal, por quê os preços são altos? ”

Obviamente, é uma pergunta, logo precisava de resposta e eu fiz assim.

Minha resposta:

Vendo o assunto que foi publicado sob este título, lembrei-me de um artigo que tenho em meu blog, e Cujo Custos e assunto, embora segmentado. Enquanto o empresário não souber, exatamente quanto precisa realizar para pagar suas despesas diárias, o “Barco” fica à deriva.
Fala-se da Necessidade de Reduzir preços para enfrentar a Concorrência, de cobrar preços exorbitantes para compensar o descompensado, e nada disso funciona é tapar o sol com uma peneira.
O que é preciso que se entenda de uma vez por todas, que é um Hotel tem custos fixos, estes PRECISAM ser conhecidos ea partir deles Traçar estratégias de operação e venda que o tornem Que Ser aquilo que ele tem. UM EMPREENDIMENTO Rentável.
Há muitos anos eu afirmo e provo quem quiser um, não existe deficitario hotel, hotel existe com uma administração mal estruturada. Há hotéis que pela sua estrutura, “modus operandi” ou localização teem o seu público alvo, cuide-se dele, trabalhe-se para ser o Melhor com esse público nunca esquecendo que, engana ninguém o Público, vc engana uma vez, duas, e depois “a casa cai” e cai sobre seus ombros e levantá-la por vezes torna-se tão dispendioso que é melhor liquidar. E partir para outro Ramo.
Ou seja, Qualidade e Serviços nos levam ao TOPO … Administração Custos e Controladoria rentáveis nos Tornam, e porque não dizer Ricos.
O preços Assunto do mini-bar, está Diretamente ligado à falta de Administração consciente e sustentável.

29/01/2010 Posted by | Administração Hoteleira, Aguia, Controladoria, Custos | , | Comentários desativados em Por quê os preços dos produtos de Mini bar dos hotéis são tão caros?